HANG LOOSE PRO NORONHA PODE VIRAR WCT. E NÓS COM ISSO?!!!

2a. Polêmica :
Vou tentar ser o mais frio e sensato possível para não criar ainda mais polêmica, mas certamente é isso que vai acontecer.
Após a etapa do WQS de Fernando de Noronha, finalizada no último final de semana, Geraldo Cavalcanti, presidente da Associação Nordestina de Surf (ANS) e um dos organizadores do Hang Loose Pro Contest, desde que ele mudou para o estado de Pernambuco em 1996, revelou em entrevista as intenções de organizadores, patrocinadores, o governador do estado de Pernanbuco e da administração da ilha, em transformar a etapa de Fernando de Noronha, que hoje é uma etapa nível 5 estrelas da divisão de acesso do tour mundial em uma etapa do WCT, passando a valer para o ranking de primeira divisão mundial.
"É o sonho que a gente vai continuar batalhando. Se não der no ano que vem, vamos tentar para o próximo e assim vamos tentando até conseguir. O evento este ano deu altos tubos, o lugar é fantástico, uma beleza natural maravilhosa e acredito que Noronha tem tudo o que a ASP procura para as etapas do WCT. Todo mundo viu um show de surfe desde as primeiras baterias e parabéns a todos os surfistas, juízes, enfim, todos que se envolveram para o sucesso do evento. Ano que vem tem mais!”, completou Alfio Lagnado, proprietário da Hang Loose.
Vale perguntar, se em época de crise, como a que estamos vivenciando hoje, uma empresa mesmo tendo o porte da Hang Loose, teria condições de manter 2 etapas por ano válidas pelo WCT, a de Fernando de Noronha e a de Imbituba.
Vale questionar também, como a ASP vai liberar duas concessões de etapas do World Tour para um país como o Brasil que quase perdeu a concessão em 2006, graças a desistência da Nova Schin e a quase não renovação da concessão pertencente a Teco Padaratz, e ainda por cima para uma mesma empresa de surfwear.
Que a etapa de Fernando de Noronha este ano foi um sucesso, isto é inegável. Que deu excelentes ondas, o lugar é paradisíaco digna de uma etapa do WCT, o clima, as paisagens, o local que enchem os olhos de qualquer visitante, isto também é indiscutível.
Resta para os catarinenses e principalmente os imbitubenses, aguardar com apreensão as decisões que serão tomadas durante o transcorrer deste ano, e no próximo, já que a etapa de 2009 está mais que confirmada para junho/julho deste ano na praia da Vila, em Imbituba. E não só os catarinenses, mas também paranaenses, gaúchos, paulistas, cariocas entre outros que se deslocam para Imbituba, durante o evento, dada a facilidade e o baixo custo para assistir a única etapa da 1a. divisão do tour mundial na América Latina. Além do que, causa visibilidade para muitos atletas locais, como recentemente Pedro Paulo, filho do Passarinho da Praia do Porto, que foi recentemente contratata pela Hurley.
Não se pode esquecer que em Fernando de Noronha, o evento seria realizado para um punhado seleto de convidados, além dos atletas e organizadores. E nós, pobres mortais, que não teremos dinheiro para bancar uma viagem até lá, ou se tivermos, não conseguiremos vaga para entrar na ilha, já que existe um controle no numero de pessoas que acessam a ilha, poderemos nos contentar em ver os Top 44 na frente de um computador ou na tela da tv, se eles transmitirem por algum canal aberto de televisão.
Poderemos estar prestes a assistir uma debandada, como a que ocorreu em 1994, quando o OP PRO Imbituba, mesmo com o sucesso alcançado no último dia com ondas de mais de 3 metros, não repetiu a dose no ano seguinte, sendo transferido pela marca OP, para Fenando de Noronha.
É esperar prá ver.

Por Eduardo Rosa
17/02/2009
Fonte de Pesquisa: Waves
Postar um comentário