PERFORMANCES PRÁ LÁ DE ALUCINANTES NO OSCAR DO SURF.

ouviu falar de SHIPSTERN BLUFF? É a nova meca do surf limit, ou surf no limite. Fica na não tão nova fronteira do surf, as águas geladas da Tasmânia.
O drop é feito somente atrás do pico, e a onda é perfeita, mas ao mesmo tempo irregular, com uma bolha que aparece no meio do tubo e o surfista tem que estar preparado para um segundo drop dentro do cilindro, normalmente despencando. Três ondas de lá concorrem ao “Oscar” do surf. A de Dean Bowen, na pior vaca, ou Wipeout of the year, as ondas do Australiano Ryan Hippwood - ver vídeo abaixo -, e do local tasmanes, James Holmer-Cross, como atleta do ano, ou Ride Of The Year.
A vaca de Ross Clark-Jones, na Tasmânia, mas no pico de Pedra Branca, também foi animal. Pode ser chamada de "Quebra Ossos".
Um Chileno também concorre o Premio de Vaca do ano. É Ramon Navarro, em Santos Del Mar, Chile.

As vacas do Billabong XXL, incluindo o de Dean Bowen na primeira sessão do filme:



O tubo e o segundo drop insano de Ryan Hipwood:



Uma performance pra lá de intrigante foi a do californiano Brian Conley - ver video no post anterior -, que surfou um tubo de uns 8 pés, num pico chamado Boca Grande, México, com uma filmadora na mão de trás, fugindo dos padrões normais de filmagem. E ele ainda pula de um jet ski em movimento, direto para o drop em cima da onda. O cara foi insano. Ele literalmente filma e surfa a onda dele. É como no futebol, ele cruza e corre pra cabecear na área. Dá pra sentir a energia do momento só de assistir a cena. Aparece também a filmagem da areia pra comprovar o fato.
Serve, também, pra mostrar pra quem nunca teve a sensação de entubar ou está aprendendo a pegar onda o se vê dentro de um tubo. Ele também é um dos concorrentes a Ride Of The Year.
Tem também a nomeação para maior onda – Biggest Wave -, e a maior onda surfada na remada – Moster Paddle -, além do maior tubo – Moster Tube.
Acesse aqui, assista as imagens e, se quiser, pode votar também pelo celular.


Por Eduardo Rosa
Postar um comentário