ABRASP MUDA O FORMATO DO CIRCUITO BRASILEIRO EM 2010. SERÁ?!!

Áureos tempos do Circuito Brasileiro de Surfe. Década de 80, Top Sixteen, Back Fourteen eram termos comuns naquela época, pra galera que corria ou acompanhava o Circuito Brasileiro. Antes da lycra, as camisetas de competição eram de pano mesmo.
Tinha gente que ia pro free surf, com uma camiseta qualquer, que era minuciosamente amarrada nas costas, prá parecer que estava num campeonato, ou pra dizer que também corria campeonato, ou mais ainda, pros outros acharem que ele era competidor, pois pra fazer aquele nó nas costas da camiseta sózinho, só andando algum tempo pelos campeonatos.


Giovani Mancuso: A "Arma" Gaúcha na década de 80.

O campeonato era assim, os "menos favorecidos" ou "estreantes" se matavam nas primeiras fases - e olha que tinha campeonato com mais 200 inscritos, muitos se inscreviam prá ganhar o "kit", e outros pra dizer pros amigos que "correram o campeonato".

Antes vou explicar: Top Sexteen eram os 16 primeiros do ranking do ano anterior, e Back fourteen eram os 14 que vinham logo em seguida neste mesmo ranking, que fechavam os 30 primeiros colocados.

Então tá. Depois do funil se fechar os classificados das fases anteriores batiam de frente com os Back Fourteen, que eram pré-classificados ou cabeças-de-chave, pois entravam já no meio do competição sem precisar se desgastar. Logo depois, na fase seguinte, entravam n'água os Top 16. Eram, digamos assim, os privilegiados dos campeonatos. A nata do surf brasilis.

Naquela época muitos viraram "Deuses", caçados durante os campeonatos do começo ao fim.
Dos "menos favorecidos" que vinham desde as primeiras fases, numa maratona incrivel de 5 dias de competição, aquele que ganhasse de um Back 14, já virava automaticamente revelação do campeonato. Ganhando de um Top 16 então, além de virar celebridade se tornava sério candidato ao titulo do evento.
Eram assim os campeonatos naquela época, pra quem não sabe, ou não se lembrava mais. Uma fórmula e tanto.

Passados alguns anos, vieram mais competições internacionais para o Brasil. A ABRASP - Assoc. Brasileira de Surf - no intuito de ajudar os atletas que disputavam o Circuito Mundial, resolve aos poucos mudar o formato dos campeonatos adequando-os a realidade da época. Os Backs e os Tops deixaram de existir ou ficaram guardados na memória de quem viveu aquela história.

Até ano passado o Circuito Brasileiro era o Super Surf, que em 2010 irá virar 5 etapas do WQS, ou segunda divisão do Circuito Mundial.

A ABRASP pra não deixar a peteca cair, lança um novo formato de Brasileirão. Mas peraí!!! Quem
leu texto do Pedro Falcão, Gerente do Circuito, que saiu no site da ABRASP esta semana, pode notar que voltamos no tempo. Retrocedemos.

Nem sempre retroceder pode ser ruím.

Mas como nem tudo que retrocede tende a ser ruim, voltaremos a ter a figura do Top Sixteen novamente. A nata do Surfe Brasileiro. Só os Back Fourteen é que não voltaram.
Os eventos voltaram a ter 5 dias - mas o campeonato pode ser realizado em 2 -, mas com uma novidade: além dos Top 16 - que bom poder usar este termo novamente, é até nostálgico - e dos classificados campeões de cada estado e os melhores do Brasil Tour - a série B do Brasileirão - do ano anterior, os eventos serão recheados de caras novas a cada etapa. Quem estiver bem rankeado em seu estado, ou no Brasil Tour do ano vigente, estará apto a participar.

Uma grande novidade com certeza. No mais é deixar rolar e ver se este "novo" formato "cai no gosto' dos atletas, da torcida e, principalmente, da mídia.

Por Eduardo Rosa

Postar um comentário