RESPONDA ESSA: QUAL O ESPORTE MAIS ANTIGO DO MUNDO?

Eu ainda não tenho certeza também. Mas se, há alguns anos atrás, alguém nos perguntasse se o Capitão James Cook, exímio desbravador dos mares no século XVII, houvesse registrado em suas anotações marítimas ‘os primeiros’ indícios de algum ser humano deslizando sobre as espumas das ondas, com uma pequena jangada longitudinal, em alguma ilha perdida no oceano, que para nós, hoje, mais pareceria com uma prancha, eu até acreditaria. E isto tudo está registrado lá no diário de bordo de Capitão Cook. Hoje acho que não mais...

Capitão James Cook, até então principal figura no elo pela história inicial do surf.

Há pouco mais 40 anos, alguns pesquisadores tem feito tantas descobertas em solo latino-americano, principalmente no Chile e no Peru, que já se está cogitando em mudar a história mundial. Entre elas, estão achados que podem ser direcionadas ao surf, e mudar sua história também.

Muita gente que pega onda, já ouviu falar que o surf pode ter suas raízes no continente sul-americano. Mas nunca ninguém parou para uma análise profunda e criteriosa. Algumas surf trips, realizadas por surfistas e fotógrafos, trazem na volta indícios, como fotografias e histórias de muito tempo atrás, quando outras civilizações habitavam essas bandas.
Fotos de balsas de junco de Totora, que divertem turistas em várias praias do Peru, os quais nem imaginam tamanha história que elas carregam consigo. A grande maioria dessas balsas, ainda é fabricada por nativos, que trazem técnicas milenares na fabricação destes artefatos, e não abdicam desta raridade, passando para as gerações seguintes está prática. É um grupo restrito, mas sabem que detém um vasto arquivo histórico nas mãos. E uns poucos que não fazem parte desta pequena e ainda existente civilização, denominada como os Aimaras, tiveram o privilégio de conhecer estas técnicas.

Está história será contada nas próximas atualizações do SURFEMAIS. Para o surfe nosso de cada dia são informações valiosíssimas. Poder descobrir que o esporte que nós praticamos pode sim ser um esporte milenar. Para mim e para Cesar Dal Molin, o Cachorrão da Mole, principal protagonista desta experiência, estas afirmações são o elo perdido e definitivo sobre esporte dos deuses.
Acompanhe e não perca as próximas atualizações.

Por Eduardo Rosa


Postar um comentário