ETAPAS BRASILEIRAS DO CIRCUITO MUNDIAL DESTE ANO PODEM NÃO ACONTECER

Segundo informações colhidas junto a Roberto Perdigão, Diretor Executivo da ASP South America, as etapas brasileira do Mundial WQS e WCT, deste ano, podem até ser canceladas, caso a ASP julgue assim, como punição pelo não pagamento da premiação da etapa do WQS do Guarujá, o Local Motion Guarujá Surf Pro, que aconteceu entre os dias 28 de setembro a 4 de outubro no ano passado na praia do Tombo, no Guarujá e vencida pelo paulista Renato Galvão.
A pendura feita, foi simplesmente o não pagamento de todas as taxas, bem como todo o dinheiro da premiação aos atletas e staff.
Os responsáveis pelo evento teriam 7 dias para pagar a todos, mas passados 5 meses, nada foi depositado, e nenhuma solução foi apresentada ainda.

Renato Galvão com a "cópia" do cheque na mão, mas o din din que é bom, nada!!

Perdigão lembra que possui todas os documentos assinados indicando a confirmação da realização do evento, mas deixa claro, que não imaginou que um parceiro em eventos nos últimos 8 anos, fosse relutar tal pagamento.

Mauro Ribeiro, proprietário das marcas Onbongo e Local Motion, defende-se dos ataques, dizendo que "era apenas responsável pela parte promocional e de estrutura do evento (produção de cartazes, uniformes, troféus, palanque, lonas), e que todo recurso financeiro do evento como o pagamento da premiação e demais taxas seria de total responsabilidade da prefeitura do Guarujá, bem como do Governo do Estado de São Paulo através de uma verba disponibilizada via Secretaria de Esporte e Turismo".

Roberto Perdigão avisa que "não possui nenhum contrato com a Prefeitura ou Secretaria de Esporte e Turismo do Guarujá, muito menos com o Governo do Estado de SP. Tudo ficou a encargo da produtora do evento, responsável pela realização e quitação dos encargos relacionados ao "Local Motion Guarujá Surf Pro 2009", etapa 6 estrelas do Circuito Mundial". A divida somente com a premiação seria de US$ 145.000 dólares.

Em carta enviada a imprensa, há cerca de um mês, Perdigão discorre o seguinte: "Tendo em vista o início da temporada das grandes competições internacionais no Brasil, esperamos que os responsáveis pela etapa “Local Motion Guarujá Surf Pro” consigam resolver o mais breve possível essa questão, lembrando que fatos como esse atingem a credibilidade de todos os envolvidos e, em especial, maculam a imagem do nosso país dentro do contexto do ASP World Tour."

Ainda segundo Perdigão, "...esta é a primeira vez que uma marca importante do mercado de surfe assume uma postura como esta em toda a história do circuito mundial da ASP. Acredito que esta seja uma decisão justa, apesar de bastante dolorosa de ser tomada por todos nós".

Então, dependendo da posição que a ASP tomar em reunião lá na Austrália, durante a primeira etapa do WCT 2010, em Snnaper Rocks, as etapas brasileiras do WCT e WQS neste ano, estão a perigo de uma sanção disciplinar por conta deste imbróglio ocorrido.

Por Eduardo Rosa

Postar um comentário