ESPÉCIE EM EXTINÇÃO VIVE NAS DUNAS DA RIBANCEIRA, EM IMBITUBA.

HABITAT DO 'LAGARTO DAS DUNAS' ENTRE OUTRAS ESPÉCIES, ESTÁ SENDO DEVASTADO, ALERTA BIÓLOGA.


Liolaemus, ou 'Lagarto das dunas', presente e importante espécie da cadeia alimentar nas dunas da Ribanceira. Foto: Larissa Fernandes.

A região das dunas da Ribanceira, entre as praias da Ribanceira e Ibiraquera, em Imbituba, Santa Catarina, está envolta por uma rica biodiversidade, composta por fauna e flora predominantes.

Aves, répteis rastejantes, vegetações - desde rasteiras até arbustos e árvores frutíferas  -, entre outros, integram o que se pode chamar de ‘complexo ambiental das dunas da Ribanceira’.

Dentre tantas espécies, que se mantém e dependem diretamente de tudo que envolvem as dunas da Ribanceira, está um tipo de lagarto muito conhecido no meio acadêmico, e que nos últimos anos sua população vem sendo dizimada no sul do Brasil e no mundo, por vários fatores, entre eles a especulação imobiliária.

Quem faz o alerta é a bióloga, Larissa Gabriely Fernandes, que em seu TCC pelo curso de biologia na UNISUL, no Campus em Tubarão (SC), apresentou um estudo feito nas dunas de Jaguaruna, no sul do Estado. 

As tocas e a existência deste 'lagarto nas dunas' da Ribanceira, estão correndo sérios perigos, não só de serem destruídos, como também de extinção da espécie. Foto: Larissa Fernandes.
Lá, ela comprovou através de seu trabalho, que o gênero Liolaemus occipitalis Boulenger (1885),  que ainda é composto por mais duas espécies - Liolaemus lutzae Mertens (1938) e Liolaemus arambarensis Verrastro et al. (2003) -, e mais conhecidas como ‘lagartixa das dunas’, se encontra em extinção em todo o Brasil. Principalmente no litoral sul do país, onde se encontram poucos víveres desta espécie.

Recentemente, Larissa encontrou vários exemplares e ninhos da Liolaemus, nas dunas da Ribanceira em Imbituba. Segundo ela, “o entorno das dunas e principalmente, no local aonde uma mineradora vem extraindo areia nos últimos anos é seu principal habitat natural”. Esses lagartos costumam esconder-se do frio, escavando galerias, o mais profundo possível, conforme a temperatura ambiente.

Ela também destaca o que o site iucnredlist, ou 'lista vermelha de espécies ameaçadas' no Brasil e no Mundo, vem alertando, que esta espécie endêmica no sul do Brasil, e presente em várias partes do mundo também, estão com sua população em decréscimo nos últimos anos.

Larissa ressalta que, “os principais locais de criação e reprodução deste lagarto são as bases das dunas e as restingas. Nas dunas da Ribanceira, este lagarto já faz parte do ecossistema da região e se inclui na cadeia alimentar do local.” 


Movimento intenso de caminhões e máquinas, e extração desenfreada de areia das dunas, podem determinar o destino de várias espécies da cadeia alimentar das dunas da Ribanceira. Foto: Liana Tobias/SOS Dunas da Ribanceira

O Liolaemus occipitalis, ou 'lagarto das dunas', se alimentam das formigas e outros artrópodes. E seus predadores são as cobras (como as serpentes), aves (como o anu e a coruja, predominantes na região das dunas da Ribanceira), e roedores, que dependem extensivamente dele para o equilíbrio alimentar na região.

Larissa também alerta que, “cada animal constituinte da cadeia alimentar é extremamente importante para a mesma. Se um animal acaba por ser extinto, ou tiver sua população reduzida, vai acabar afetando toda a cadeia alimentar de outras espécies da região”.

A extinção de algumas espécies animais pode tornar outros seres vivos uma praga, por falta de predador natural. E como já destacado, este é só um exemplo em destaque, em como a área das dunas da Ribanceira, em Imbituba, tem uma rica importância para a biodiversidade de toda a região.

Por Eduardo Rosa 
SOS Dunas da Ribanceira.
Postar um comentário