AO MESTRE COM CARINHO: TOM CURREM

TOM CURREM, UM DOS MAIORES SURFISTAS DE TODOS OS TEMPOS, COMPLETA 51 ANOS


Década de 80, o mundo do surf estava abismado com o domínio australiano no circuito mundial. Mark Richards, Tom Carrol, Wayne 'Rabbit' Bartolomeu, Peter Townend. Salvo o sul africano, Shaun Tomson, campeão mundial em 1977, a fileira ozzie parecia não acabar mais. 

O último campeão norte americano, ainda em 1970, Rolf Aurness, já se fazia esquecido pela contingente que acompanhava o surf na década de 80. Os quatro títulos mundiais seguidos de Mark Richards - entre 77 e 82 - e o bi-campeonato do também australiano, Tom Carrol, dava poucas esperanças para os americanos, um país bem organizado no esporte, e que vinha, gradativamente, multiplicando suas revelações ano a ano. 

Tom Currem e seu estilo inconfundível. 

Entre as várias estrelas que eram produzidas pelos yankes, um americano quieto e silencioso chegou de mansinho e abocanhou o primeiro título mundial após vários anos. Ainda assim, com o show de manobras e estilo, que Tom Currem apresentou naquele longínquo ano de 1985, poucos o apontavam como possível merecedor da coroa no ano seguinte. 

Em 1986, Tom Currem calou o mundo do surf, aliás, o mundo do surf festejou o fim da hegemonia australiana no Circuito Mundial, que clamou por mais! Mas Currem se afastou do World Tour durante três longos anos, alegando algo do tipo, falta de vontade de continuar. Mais dois australianos venceram, Damien Hardman (87) e Barton Lynch (88). 


Em 89, o mundo do surf ficou boquiaberto com a chegada do atleta mais power em tantos anos de Mundial, até aquele momento. O inglês/sul-africano, Martin Potter, muito antes da hoje chamada nova geração fora de limites, demolia as ondas com manobras inovadoras, de difícil realização. 

Enquanto o mundial terminava naquele ano, a lembrança de Currem era marcada por sessões de free surf em gravações de películas em locais com ondas paradisíacas, que corriam o mundo. As ondas surfadas por ele, as manobras que ele realizava naquelas sessões, o apontavam como melhor surfistas de todos os tempos.


Em 1990, quando o mundial estava para começar, Tom Currem já havia comentado nos bastidores há algum tempo, algo que poucos acreditavam que ele fosse capaz de conseguir realizar. Que seria campeão mundial naquele ano, vindo desde as triagens em todas as etapas do mundial, algo nunca feito até então. 

Naquela época, com a concepção antiga da ASP, a maiorias dos vencedores das triagens em vários eventos, sequer avançavam muito além no evento principal, dado o cansaço por disputar tantas baterias em longos dias de eventos. Alguns eventos chegavam a ter dez dias, contando com a fase dos trialistas. 


Ao final do ano, e antecipadamente, Tom Currem se tornaria um dos maiores atletas de todos os tempos, inclusive vencendo várias etapas do mundial naquele ano, como descrito acima, 'calando a boca' dos que duvidaram de sua proeza infinita.

Foi aquele título e só!!! Nos anos seguintes venceu várias outras etapas de forma indescritível, mas o título já não lhe fazia mais a cabeça. Ano passado, já com 50 anos de idade, durante a etapa do Mundial WSL, em Jeffrey's Bay, na Africa do Sul, reviveu um de seus maiores duelos contra um de seus maiores rivais, o australiano Mark Occhilupo, num evento paralelo para os antigos campeões. 


As ondas que Currem surfou nesta bateria, chamaram a atenção da grande imprensa especializada do surf em 2014. Muitos chegaram a dizer que Currem certamente teria um lugar entre os Top 44 atuais, por seu surf ainda estar atual e perfeito.

Neste dia 03 de julho de 2015, Tom completa mais uma ano de vida, e boa parte dos surfistas pelo mundo, com pouco mais de 30 anos de idade, ainda reverenciam esta data como única e mais importante na atualidade. Mesmo sem saber o dia certo de seu aniversário. Fora Kelly Slater, Tom jamais será esquecido enquanto se ouvir falar em surf. 
Postar um comentário