UM CAMPEONATO DE SURF?!! DEFINITIVAMENTE, NÃO.

DESAFIO DE DUPLAS REÚNE NA PRAIA BRAVA, EM FLORIANÓPOLIS, A NATA DO SURF CATARINENSE


Perguntado a Maurio Borges, promotor do Desafio de Duplas, "o que realmente definiria um campeonato como esse?'. Começou, então, a divagar por vários adjetivos e combinações de resultados que tentavam explicar o que era reunir antigos e novos amigos do surf catarinense - alguns que poderiam nem mais surfar - num evento único e histórico, entre velhos conhecidos e a juventude que seguiram seus passos.

Muito mais que um simples campeonato, foi além de um festival de surf, que brindava a galera catarinense nas décadas de 70 e 80, e que até hoje são lembrados por quem presenciou esta época. Muitos daqueles que viveram neste tempo, se reuniram novamente para se reencontrar após tantos anos passados. E o melhor de tudo, dentro e fora d'água. 

Galera não estava preocupada em vencer o confronto e sim, em participar e comemorar. Foto: Desafio de Duplas.

Segundo todos que participaram, o mais importante não era vencer. O simples fato de ver seu nome ao lado de outro, entre tantos nomes conhecidos - ou não - da velha e da nova guarda do surf catarinense, já soava como um troféu. O reencontro, deixar as conversas e as fofocas em dia, relembrar momentos remotos, apresentar os filhos e a família, tudo parecia ter sido instintivamente preparado para dar certo.

A bela praia Brava, em Florianópolis, foi o palco deste evento que deixou a galera marcada pelo resto de suas vidas, e tinha gente de Floripa, de Balneário Camboriú, Laguna, Imbituba, praia da Guarda, enfim, de vários cantos estado, ou pelo menos, que frequentam constantemente nosso litoral.

Estrutura montada do Desafio de Duplas na praia Brava, em Florianópolis. Foto: Desafio de Duplas.

E todos reverenciaram Maurio Borges, tanto nas redes sociais quanto em plena praia, assim que o Desafio de Duplas teve início. Mesmo com a desistência de alguns por contusões ou compromissos profissionais e particulares, e proibição de outros disputarem o evento, como foi o caso da manézinha da ilha, Jacqueline Silva, uma das melhores surfistas profissionais brasileiras, e os irmão Luan e Cauê Wood, fato ocasionado pela Abrasp - Associação Brasileira de Surf Profissional -, o evento não perdeu seu brilho, e quem não foi ou não pode ir, sabe o que pode ter perdido.

A disputa foi dividida em categorias especiais, entre elas, Pais e Filhos, Shaper e Rider (atleta), My Friends, Irmãos, Ex-tops e Músicos, Ídolos, e a categoria 40 Anos de Rock Surf e Brotos, esta última reverenciando um dos eventos mais marcantes em Florianópolis e de Santa Catarina. 

Lado a lado, quatro lendas do surf catarinense e brasileiro, Davi Husadel, Roberto Lima, Bilo Wetter e Bita Pereira. Foto: Desafio de Duplas.

Lendas como Roberto Lima (atleta e fundador da antiga ACS - Assoc. de Surf Catarinense), Bilo Weter (por anos, um dos melhores surfistas e shapers do estado), Pedroca de Castro, Avelino Bastos (um dos melhores e mais referenciados shapers), e seu pupilo, Flavio 'Teco' Padaratz (ex-top do Circuito Mundial), Nilton Andrade (Shaper das pranchas Nad), Carlos Gama e David Severo (ferrenhos competidores da década de 80), Flavio Boabaid (surfista e empresário que trouxe para SC o Hang Loose Pro Contest 86, o primeiro evento internacional no estado), entre tantos outros que participaram. 

Imbituba também marcou presença no Desafio de Duplas, com três atletas, Manoel Rene, Neno Heleodoro e seu filho Gui Heleodoro. Manoel Rene disputou a categoria My Friend, terminado o evento em 3º lugar junto com seu parceiro de dupla, Heitor Melo.

Na Pais e Filhos, Gui Heleodoro (a direita na foto) junto com seu pai, Neno Heleodoro (esquerda), representaram Imbituba junto com Manoel Rene. Foto: Rodrigo Rolin/Desafio de Duplas.

Já Neno e Gui, disputaram juntos a Pais e Filhos, e separados, Neno disputou a 40 Anos de Rock Surf e Brotos, junto com Pedroca de Castro, revivendo uma bateria realizada em 1976, onde ficaram na 2º colocação, e Gui Heleodoro, que disputou junto com David Severo, a categoria Ex-Top e Músicos, onde ficaram em 2º lugar.

Ainda aconteceram homenagens a outras lendas que viveram este passado, e estiveram bem próximas do esporte, vivendo seu dia a dia, tanto em eventos, na TV, no rádio e nas revistas. 

Os homenageados, Saul Oliveira Filho, Jackie Rosa e Ricardinho Machado. Foto: Desafio de Duplas. 

Como a jornalista Jackie Rosa, apresentadora durante anos do programa diário, Top Jovem, na TV Cultura, e depois Rede Eldorado, o fotografo Saul Oliveira Filho, editor da primeira publicação catarinense especializada em surf, a Revista Surf Sul, que ajudou a divulgar e levar o surfe catarinense para outros estados no início da década de 80, e Ricardinho Machado, que em parceria com o também jornalista e agitador cultural Cacau Menezes, organizaram o Rock Surf & Brotos em 1976. Esse evento marcou época e comemora 40 anos em 2016.

O Desafio de Duplas teve o patrocínio da JBay, Lifan Motors, Devassa e Hot Buttered, a realização é de Maurio Borges, a promoção da Rádio Jovem Pan, Boletim Nas Ondas da Pan, e o Le Bar Baron, a Supervisão técnica da Fecasurf e o suporte da ASPB - Associação de Surf da Praia Brava - e SC Surf. 
Postar um comentário