EM MEIO A RELÍQUIAS DO SURF MUNDIAL

PRANCHAS HISTÓRICAS DE LENDAS DO SURF MUNDIAL EM IMBITUBA


Relíquia: Longboard modelo 'What I Ride', criado por Robert August. Foto: Eduardo Rosa

Fernando exibindo com orgulho
sua Robert August. Foto: Eduardo Rosa.
 
Durante o verão, milhares de surfistas de outros estados e países aparecem pelas praias de Imbituba para curtirem as excelentes ondas que quebram durante a temporada, ainda que não seja uma época tão propícia para surf. E entre eles, alguns se destacam no meio do severo crowd que tem sido crescente nos últimos anos. Nem tanto pela performance, mas pelo equipamento que trazem junto. 

Neste último domingo - assim como durante a temporada -, aos olhos mais atentos e bem informados, algumas pranchas carregavam consigo uma imensa história que foi ao longo de décadas aglutinada a história do surf mundial. Lendas vivas que ainda fazem do surf seu ganha pão, bem como sua inspiração. A praia do Rosa, o maior balneário turístico, bem como surfístico da região de Imbituba, virou ponto de desfile destas relíquias, trazidas, principalmente, por estrangeiros que frequentam o local. 



Inicialmente, o argentino Fernando carregava uma das maiores relíquias do surf mundial, baseada numa das principais películas cinematográficas já vistas por 9 em cada 10 surfistas que se preze, o Endless Summer, documentário lançado em 1966 e dirigido por uma das maiores lendas do esporte, Bruce Brown, contava a história de dois surfistas em busca da onda perfeita. Robert August e Myke Hyson foram estes protagonistas. Robert, conhecido como 'Wingnut', voltou a participar da 2ª edição deste filme lançado em 1994, já com quase 50 anos de idade.


Fernando desfilava imperceptível a quase todos na praia do Rosa, com um autêntico modelo 'What I Ride', shapeada pela lenda Robert August, sem maiores problemas. Entrou no mar, surfou com sua esposa e filha, 'lagarteou' um pouco na areia da praia, e foi embora. 

O Uruguaio Augustin, com sua MR presenteada por seu pai, e que nada sabia sobre os feitos do tetracampeão mundial de surf, Mark Richards, feito até hoje só superado por Kelly Slater. Foto: Eduardo Rosa. 
Augustin. Foto: Eduardo Rosa.

Logo mais, o uruguaio Augustin, também passou pela areia da praia, até ser interpelado pelo sempre atento Capitão David, da escola de surf, sobre a profunda história sendo carregada embaixo do braço do uruguaio. Uma prancha original - assinada e dedicada - feita pelo Tetra Campeão Mundial de Surf - entre 79 e 82 -, o australiano Mark Richards, mais conhecido no meio do surf, como 'gaivota ferida' pois tinha um estilo de surf bastante singular, com seus longos braços completamente estendidos e joelhos apoiados juntos. Esta marca conseguida por Mark, até hoje só foi superada pelo tantas vezes campeão, o norte americano Kelly Slater.


Fora as que puderam ser fotografadas, o manezinho da ilha, Zeno Brito, também exibiu sua Terry Fitzgerald round wind little swallow 6'3" monoquilha, que embaralhou a cabeça de todos na praia. O australiano Terry, uma lenda viva do surf mundial, fundador da conhecida Hot Buttered - HB -, co-fundador da Associação Nacional de Surf Australiano, fez diversas finais em eventos da antiga IPS - Internacional Profissional Surfing -, hoje WSL, e após uma temporada no Hawaii - 1971 -, foi um dos responsáveis pela diminuição no tamanho padrão das pranchas da época, que passaram das 9 pés para os tamanhos que conhecemos hoje. 
Postar um comentário