SELEÇÃO MUNDIAL VENCE O FOUNDER'S CUP OF SURFING

BRASILEIROS SE RECUPERAM E TERMINAM COMO VICE-CAMPEÕES A FRENTE DOS ESTADOS UNIDOS DE KELLY SLATER

Seleção Mundial foi a grande vencedora do Founder's Cup of Surfing. Foto/reprodução Surfemais.

O Founder's Cup of Surfing, evento especial da World Surf League (WSL), entidade máxima do surf, reuniu alguns dos melhores surfistas do planeta e terminou neste domingo (06), com a vitória da Seleção Mundial formada por atletas de diversos países, entre eles, Africa do Sul, Tahiti, Japão, e Nova Zelância. O evento aconteceu no Surf Ranch, uma piscina de ondas artificiais criadas pelo muitas vezes campeão do mundo, Kelly Slater, na cidade de Lemore, Califória (EUA).

O evento especial, que não contava pontos para o Circuito Mundial de Surf Profissional da WSL,  marcou em definitivo o caminho para a estréia do surf nas Olimpíadas de Tóquio em 2020, na qual um novo formato para disputas foi testado, além da piscina de ondas considerada a melhor onda artificial do Planeta no momento, e que poderá ser construída em países sede dos Jogos Olímpicos em que a falta de mar e ondas seja um problema.

Silvana Lima entocada no Surf Ranch. Foto/Reprodução: Surfemais.

No primeiro e no segundo dia de competições, rolaram três fases do evento, e cada atleta de cada equipe tinha a chance de surfar duas ondas - uma pra esquerda e outra pra direita - em cada uma das fases. Somavam-se para equipe então, a melhor nota de cada atleta para cada lado da onda em cada fase, numa pontuação que poderia chegar apenas a 100 pontos totais.

E no último dia, as três melhores seleções iam para a final num novo formato de competição, em que a melhor nota de cada disputa entre três surfista de cada país - masculino e feminino - dava uma pontuação entre, 2, 1 e 0 pontos para a equipe vencedora. Foram também duas fases assim, e na última, esta pontuação era dobrada, ou 4, 2 e um ponto.

Cinco Seleções disputaram o evento



Melhores momentos da Seleção Mundial.


Além da Seleção Brasileira, apontada por muitos dos organizadores, lendas do surf e jornalistas como a mais forte do evento, outras quatro outras equipes disputaram o evento que aconteceu em Lemore, uma cidadezinha no interior da Califórnia, nos Estados Unidos. No local do evento, o Surf Ranch, uma das maiores produções já montadas no surf, que tinha como ponto principal a piscina de ondas perfeitas criada e desenvolvida pelo tantas vezes Campeão Mundial de Surf, Kelly Slater, sediou este novo tipo de competição.

Pelos Estados Unidos, a equipe masculina era formada por Kelly Slater como capitão do time, Kolohe Andino, o Bi-Campeão Mundial John John Florence, e no feminino, Carissa Moore e Lakey Paterson. Representando a Europa, o português Frederico Moraes, o italiano Leonardo Fioravanti, o Francês Jeremy Flores, a alemã Frankie Harrer e a francesa Johane Dafey.

O time australiano, que decepcionou a todos por não chegar a grande final, já que são considerados a maior potência do surf mundial, continha alguns dos principais nomes do esporte: Joel Parkinson, Mick Fanning, Matt Wilkinson, Tyler Wright e Stephanie Gilmore,. E a Equipe Mundial, ou 'Resto do Mundo', contava com o Tahitiano Michel Bourez, o sul africano Jordy Smith, o japonês/americano Kanoa Igarashi, a sul africana Bianca Buitendag, e a neozelandeza, Paige Hareb

Brasil consegue recuperação no segundo dia de evento




A Seleção Brasileira, formada por alguns dos principais surfistas brasileiros no momento - entre os homens, o paulista Gabriel Medina como capitão da equipe, o também paulista radicado em Santa Catarina Adriano de Souza 'Mineirinho', o outro paulista Filipe Toledo. e entre as mulheres, a cearense Silvana Lima e a catarinense da praia da Guarda do Embaú, em Palhoça, Tainá Hinckel, terminou o primeiro dia de competição - sábado (05) - na penúltima colocação, a frente apenas da Seleção Européia.

Já´no domingo (06), uma incrível recuperação levou a Seleção Canarinho a vice liderança da competição, e disputas finais. Por muito pouco o Brasil não sagrou-se campeão por equipes do evento. Silvana Lima foi a grande destaque ao conseguir a melhor nota na sua apresentação e colocar a Seleção Brasileira na disputa pelo primeiro lugar novamente, após performances vertiginosas de Gabriel Medina e Filipe Toledo.

A criação e o criador. Kelly Slater deixando mais uma vez seu legado para o surf mundial. Foto/reprodução: Surfemais.

Na última onda para a direita, Filipe Toledo tentou um aéreo, que para muitos não foi o correto naquele momento, e entregou de bandeja para a equipe norte americana a possibilidade de colocar novamente a disputa pelo título num desempate entre a equipe brasileira e a Mundial. Bastava apenas o tantas vezes campeão mundial, Kelly Slater, último americano a se apresentar, bater a nota conseguida pelo sul africano Jordy Smith no início da grande final, um 9,27 pontos, o que não foi possível e a Seleção Mundial acabou levando o título da competição.

Catarinense Tainá Hinckel surpreendente


Tainá Hinckel fez história neste evento. Foto/reprodução: Surfemais. 

A catarinense da praia da Guarda do Embaú, em Palhoça, Tainá Hinckel, filha de uma das maiores lendas do surf catarinense, Carlos Caxote, com apenas 14 anos de idade, e já com um currículo invejável no surf nacional e mundial, fez bonito e ajudou muito a equipa tupiniquim, principalmente no último dia do evento.

Com uma estréia modesta, ia se ambientando com a onda do Surf Ranch, e pouco a pouco se soltando durante a competição, terminando o evento completando todas as ondas que surfava e marcando notas decisivas para a equipe brasileira que fazia muita festa junto com o enorme público presente a cada onda surfada por Tainá.

Sobre o Founder's Cup of Surfing

O Founder's Cup of Surfing, evento criado para homenagear aos fundadores da principal entidade mundial da modalidade, entre eles, Fred Hemmings, Ian Cairns, Randy Rarick e Wayne 'Rabbit' Bartholomew, além de algumas das principais figuras que fizeram parte da história no surf mundial, como Shaun Tompson, Peter Townend, Simon Anderson, entre outros.

Desde de 1970, quando ainda se chamava IPS - International Professional Surfing -, logo após ASP - Association of Surfing Professionals - e a agora World Surf League (WSL), a entidade máxima do surf profissional no planeta contribuiu de forma significativa para a evolução do esporte dos reis, como o surf é conhecido. 

Placar final do Founder's cup of Sunfing


Postar um comentário